UK – Ministro da Saúde do Reino Unido diz que as enfermeiras devem receber um aumento salarial «justo

Arquivo
Arquivo – Imagem de arquivo de uma enfermeira britânica durante a pandemia. – Gareth Fuller/PA Wire/dpa

O ministro da saúde britânico Steve Barclay disse na sexta-feira que as enfermeiras do país irão receber um aumento salarial «justo» pouco depois de os sindicatos terem anunciado duas greves históricas em Dezembro.

Disse que o governo aceitou as recomendações do National Health Service (NHS) Pay Review Body e especificou que os salários serão aumentados em pelo menos 1.400 libras este ano (cerca de 1.600 euros).

«Isto significa que uma enfermeira recém qualificada receberá cerca de 31.000 libras por ano (mais de 36.000 euros)», disse, antes de sublinhar que os sindicatos exigem um aumento de 17,6%, o que é três vezes superior ao salário de milhões de trabalhadores do sector privado.

«A nossa prioridade é a segurança do paciente. O sistema de saúde experimentou e testou vários testes para minimizar problemas e garantir serviços de emergência, mas inevitavelmente estas greves irão afectar os serviços», lamentou.

Contudo, salientou que «a sua porta permanece aberta» no caso dos sindicatos «quererem sentar-se e discutir como melhorar as condições de trabalho dos enfermeiros», como disse numa mensagem do Twitter.

Anteriormente, o Royal College of Nursing (RCN) do país anunciou que se realizarão greves de 12 horas nos dias 15 e 22 de Dezembro, afectando os serviços de enfermagem em grande parte do país.

Pat Cullen, secretário-geral do RCN, acusou Barclay de ser «intransigente». «Se ele quiser encontrar-se comigo (…), ele pode dar a volta a isto e parar as greves. A minha porta está aberta dia e noite. Estarei disponível para defender a minha equipa e as enfermeiras», disse ele. No entanto, ela denunciou que tal opção «não está disponível para ela e, consequentemente, (Barclay) escolheu greves em vez de conversações».

As greves previstas para Dezembro são as primeiras no país no sector da enfermagem e foram convocadas após as autoridades britânicas se recusarem a realizar negociações formais sobre os aumentos salariais dos trabalhadores do SNS.

O RCN afirmou que os seus membros estarão em greve entre as 8h e as 20h, cerca de doze horas, tanto a 15 como a 22 de Dezembro, de acordo com relatórios do Guardian.

«Os ministros tiveram mais de duas semanas desde que confirmamos que os trabalhadores estão insatisfeitos e que entrariam em greve pela primeira vez», disse Cullen. «A minha oferta para negociar foi rejeitada», disse ele.