Ramaphosa candidatar-se-á a um novo mandato para liderar o partido governante da África do Sul.

Presidente
Presidente sul-africano Cyril Ramaphosa – Stefan Rousseau/PA Wire/dpa

O Presidente sul-africano Cyril Ramaphosa anunciou que se candidatará a um novo mandato como chefe do seu partido, o Congresso Nacional Africano (ANC), dentro de duas semanas, após receber uma «mensagem inequívoca» de apoio no final da reunião de ontem do seu partido sobre os últimos escândalos económicos que mancharam a sua imagem.

«O presidente compreende a mensagem de que deve continuar com as reformas estatais e económicas, que já começam a dar frutos», confirmou o porta-voz do ANC, Vincent Magwenya, numa mensagem de texto relatada pela Bloomberg.

«A este respeito», continua o porta-voz, «o presidente aceitou, com grande cuidado e humildade, este apelo para continuar a liderar a sua organização e o povo da África do Sul» antes das eleições internas que se realizarão a 16 de Dezembro.

Este anúncio surge após a ausência do presidente da sessão de emergência do seu partido ontem para tratar do caso de roubo numa quinta de propriedade do titular, o que causou agitação entre os membros do partido.

Segundo o tesoureiro do partido Paul Mashatile, o Presidente Ramaphosa não pôde estar presente na reunião, uma vez que ainda está em consultas sobre o seu estatuto, na sequência de revelações de que poderá ter encoberto um roubo numa quinta que possui.

A sua decisão de não participar na reunião causou mal-estar entre os seus membros, que tiveram de viajar para Joanesburgo num prazo muito curto. De facto, o secretário provincial do ANC na província de KwaZulu-Natal, Bheki Mtolo, disse que era «uma perda de tempo».

Num relatório entregue ao orador parlamentar Nosiviwe Maphisa-Nqakula pela juíza reformada Sandile Ngcobo na quarta-feira, um painel descobriu que Ramaphosa tinha cometido quatro violações graves da lei anti-corrupção e que havia provas prima facie contra ele, de acordo com os meios de comunicação locais.

Ramaphosa, que se tinha concentrado na anti-corrupção depois de se ter tornado presidente, teve a sua candidatura para ser o candidato do ANC às eleições de 2024 aprovada no início de Maio depois de um dos seus aliados ter revalidado a sua posição como líder do partido na província do Cabo Oriental.