Al Sisi e Modi reúnem-se na Índia para reforçar a sua cooperação contra o terrorismo transfronteiriço

O
O Presidente egípcio Abdelfattah al-Sisi e o Primeiro Ministro indiano Narendra Modi – -/Egyptian President Office via / DPA

O presidente egípcio Abdelfattah al-Sisi encontrou-se com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi na Índia na quarta-feira, numa tentativa de impulsionar a cooperação económica e de segurança e reforçar os laços face ao terrorismo transfronteiriço.

«Ambos os países concordam que é necessária uma acção conjunta para combater o terrorismo transfronteiriço. E para isso continuaremos a tentar alertar a comunidade internacional em conjunto», disse Modi, como noticiado no Times of India.

Pela sua parte, o presidente egípcio salientou que «o desenvolvimento não pode ser alcançado sem segurança e estabilidade». Al Sisi disse que tinha discutido com Modi várias formas «óptimas» de combater o terrorismo e o pensamento extremista.

O líder egípcio, que chegou a Nova Deli na terça-feira a convite do Modi, assinou cinco memorandos de entendimento (MoUs) com o Modi, incluindo um sobre colaboração cibernética. Os dois lados decidiram também reforçar a sua cooperação em matéria de defesa, informou o diário «Al Ahram».

As observações do Primeiro-Ministro Modi sobre o terrorismo referem-se às acusações da Índia contra o Paquistão por alegadamente apoiar grupos terroristas que operam na Caxemira, uma região disputada entre os dois países desde 1947.

O Egipto, que tem estado aberto ao diálogo com Nova Deli, especialmente em matéria de defesa devido ao seu interesse nos sistemas de mísseis Akash da Índia, sempre defendeu o diálogo entre as duas nações sobre Caxemira, mantendo-se ao mesmo tempo neutro.

A Índia vê favoravelmente a posição diplomática do Cairo, pois também não se pronunciou contra os comentários feitos pelo antigo porta-voz nacionalista hindu Bharatiya Janata Party (BJP), Nupur Sharma, que criticou abertamente o Profeta Maomé e cujos comentários suscitaram protestos em vários países do Golfo.

Fonte: (EUROPA PRESS)