HRW e AI apelam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU para uma investigação independente sobre a explosão de Beirute

Arquivo
Arquivo – Um cartaz protestando contra a explosão de Beriut em 2020, que deixou 200 mortos (Arquivo) – Stringer/dpa

A Human Rights Watch (HRW) e a Amnistia Internacional (AI) instaram o Conselho de Direitos Humanos da ONU a aprovar uma resolução para conduzir uma investigação independente sobre a explosão do porto de Beirute em Agosto de 2020, após o Ministério Público ter ordenado a libertação de todos os detidos.

«A grave falta de justiça para as vítimas da explosão do porto de Beirute só irá minar ainda mais a estabilidade e o Estado de direito neste momento crítico da história do Líbano», disse o director da HRW para o Médio Oriente, Lama Fakih.

HRW e AI disseram numa declaração conjunta que as autoridades libanesas têm «repetidamente» obstruído a investigação a nível nacional sobre a explosão «protegendo os políticos e funcionários envolvidos de interrogatórios, acusação e detenção».

«HRW, AI, Acção Jurídica Mundial, Agenda Jurídica e a Comissão Internacional de Juristas documentaram uma série de falhas processuais e sistémicas na investigação interna, incluindo interferências políticas flagrantes, imunidade para funcionários políticos de alto nível, desrespeito pelas normas de julgamento justo e violações do devido processo», afirmou.

Assim, apelaram ao Conselho dos Direitos Humanos da ONU para que enviasse uma missão «independente e imparcial» para o país «sem demora». «A missão deve estabelecer os factos e as circunstâncias, incluindo as causas profundas, da explosão com vista a estabelecer a responsabilidade estatal e individual, bem como apoiar a justiça e a reparação das vítimas», sublinhou.

Aya Majzoub, vice-directora da AI para o Médio Oriente e Norte de África, disse que o Líbano «desrespeitou a lei, fugindo flagrantemente a uma investigação criminal em curso e retaliando contra um juiz que estava simplesmente a fazer o seu trabalho».

«É evidente que as autoridades libanesas estão determinadas a obstruir a justiça. Desde a explosão, bloquearam repetidamente a investigação interna, protegendo-se da responsabilização à custa dos direitos das vítimas à verdade, justiça e reparação», acrescentou ele.

SOBRE O JUÍZO O Procurador-Geral do Líbano, Ghassan Ueidat, ordenou na quarta-feira a libertação de todos os detidos em ligação com a explosão de Beirute no meio de tensões com o juiz encarregado das investigações.

A decisão veio apenas um dia depois do juiz encarregado das investigações, Tarek Bitar, acusar o procurador-geral e vários juízes, de acordo com fontes citadas pela televisão LBCI. Bitar retomou o seu trabalho na segunda-feira após uma suspensão de 13 meses devido a vários processos judiciais contra ele que bloquearam as investigações.

Em resposta à decisão de Bitar, o Ministério Público libanês apresentou uma notificação aos tribunais para não aplicar as notificações do juiz como inválidas, em meio a agitação generalizada entre as famílias das vítimas da explosão, que deixou mais de 200 pessoas mortas, por causa da obstrução do processo.

Bitar substituiu Fadi Sauan após ter sido afastado do caso na sequência de uma série de queixas de altos funcionários convocados para testemunhar, incluindo o antigo ministro do Interior Nuhad Machnuk, embora as acções judiciais de vários antigos ministros convocados para testemunhar também tenham levado à suspensão das suas investigações.

A agitação popular tem vindo a aumentar nos últimos meses devido ao bloqueio e atrasos no levantamento da imunidade de antigos ministros e parlamentares que foram convocados pelo juiz Bitar para testemunhar como parte das investigações, incluindo o antigo primeiro-ministro Hasan Diab, que se demitiu em meio à onda de protestos que se seguiu ao evento.

Fonte: (EUROPA PRESS)