O ex-presidente da Mauritânia, Mohamed Ould Abdelaziz, enfrenta julgamento por alegações de corrupção

Arquivo
Arquivo – O ex-presidente da Mauritânia Mohamed Ould Abdelaziz – LI XUEREN / ZUMA PRESS / CONTACTOPHOTO

A magistratura mauritana iniciou na quarta-feira o julgamento do ex-presidente Mohamed Ould Abdelaziz, acusado de alegada corrupção, lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito durante os seus dez anos de mandato.

A polícia mauritana prendeu Ould Abdelaziz na terça-feira, que passou a noite sob custódia num local desconhecido para assegurar a sua presença na abertura do julgamento, de acordo com a Radio France Internationale.

De facto, os advogados de defesa de Abdelaziz denunciaram o facto de a detenção do ex-presidente ter sido efectuada «sem notificação de qualquer ordem emitida por um juiz», que consideram que «a polícia política está determinada a humilhar» o ex-presidente.

Esta posição também foi defendida pela própria família de Ould Abdelaziz, como é o caso da sua filha, Asma Abdelaziz, que questionou as razões pelas quais «das mais de 300 pessoas envolvidas no caso», o antigo presidente foi «o único a ser encarcerado».

O antigo presidente foi acusado em Março de 2021 por corrupção juntamente com outras dez pessoas, incluindo dois antigos primeiros-ministros e vários antigos ministros, como parte de uma investigação sobre crimes alegadamente cometidos durante o seu tempo como presidente do país africano.

Agora, após mais de dois anos de procedimentos legais e judiciais, Ould Abdelaziz irá finalmente enfrentar a justiça naquilo que, de acordo com o presidente dos advogados estatais, Maitre Brahim Ould Ebety, é a primeira vez que um presidente é julgado por corrupção.

Segundo Ould Ebety, as provas analisadas mostram que Ould Abdelaziz aproveitou a sua posição para «apreender bens imobiliários importantes» e prevaricou para «intervir em contratos públicos», enquanto o seu filho utilizou uma ONG para lavar dinheiro.

Segundo os procuradores, a riqueza do antigo presidente aumentou consideravelmente durante os seus dez anos de mandato, atingindo um valor de 67 milhões de euros em Março de 2021.

Ould Abdelaziz, que se tornou presidente da Mauritânia após vencer as eleições em 2009 – um ano após ter liderado um golpe e presidido ao Alto Conselho de Estado durante um período de transição – renunciou em 2019, após a vitória de Mohamed Ould Gazhuani, o seu antigo «deputado», que apoiou nas eleições.

Fonte: (EUROPA PRESS)