As sanções dos EUA ao ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli por «corrupção significativa».

Arquivo
Arquivo – O ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli. – EUROPA PRESS/PRESIDENCIA DE PANAMÁ

O Departamento de Estado norte-americano sancionou na quarta-feira o ex-presidente panamenho Ricardo Martinelli, acusado de envolvimento em actos de «corrupção significativa».

«Martinelli aceitou subornos em troca da adjudicação indevida de contratos governamentais durante o seu mandato como presidente», disse o Secretário de Estado Antony Blinken, que explicou que as sanções proíbem o antigo líder panamense e a sua família imediata de entrar no país.

«Aceitar subornos para contratos governamentais mina a integridade das instituições democráticas do Panamá e alimenta a percepção de corrupção e impunidade», lê-se numa declaração do Departamento.

Blinken também criticou «tais actos de corrupção pública» porque «diminuem a confiança na governação e reduzem os recursos disponíveis para escolas, hospitais, estradas e outros serviços governamentais».

Washington reafirmou o seu compromisso de combater a corrupção, «que prejudica o interesse público, impede a prosperidade económica das nações, e reduz a capacidade dos governos de responder eficazmente às necessidades do seu povo.

Finalmente, Blinken demonstrou o seu apoio aos panamenhos, à democracia e ao Estado de direito, afirmando que irá promover «a responsabilização daqueles que abusam do poder público em proveito pessoal, independentemente do seu cargo ou filiação política».

Horas antes, os filhos do ex-presidente, Ricardo e Luis Martinelli, chegaram ao Panamá no Aeroporto Internacional de Tocumen num voo comercial depois de terem cumprido uma pena de 36 meses por lavagem de dinheiro nos Estados Unidos no caso Odebrecht, um caso que implicou a empresa de construção numa rede internacional de corrupção a nível institucional em mais de uma dúzia de países da América Latina.

Ambos foram libertados cedo da prisão por bom comportamento, no entanto, terão de ir a tribunal no Panamá para enfrentar um processo judicial pela alegada comissão de lavagem de dinheiro.

Martinelli, que foi presidente do país latino-americano entre 2009 e 2014, está a liderar as sondagens para tomar posse novamente em 2024 com 30% dos votos, contra 24% para o actual presidente, de acordo com os dados da sondagem Gismo Services, relatados por ‘La Estrella’.

O antigo presidente foi acusado de alegados crimes de branqueamento de capitais e corrupção em transacções internacionais após a Câmara Criminal do Tribunal Nacional em Abril de 2021 ter admitido um recurso interposto pela Fundação Internacional Baltasar Garzón (FIBGAR) a este respeito.

Fonte: (EUROPA PRESS)