Borrell argumenta que a UE «tem de abordar um processo de rearmamento» e apela à coordenação

O
O Alto Representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, numa palestra no CIDOB – DAVID ZORRAKINO – EUROPA PRESS

O Alto Representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, assegurou que a UE «tem de enfrentar um processo de rearmamento se quiser estar à altura dos desafios que enfrenta», e defendeu a coordenação entre países para o conseguir de uma forma harmonizada.

Num diálogo esta sexta-feira em Barcelona com o Director do CIDOB, Pol Morillas, Borrell afirmou que a guerra na Ucrânia ajudou a UE a compreender que este rearmamento é necessário, embora tenha acrescentado que a União também tem «outros desafios» no mundo.

Explicou que a indústria de defesa europeia está a trabalhar em plena capacidade para reconstituir o stock de armas que foram destinadas à Ucrânia, e argumentou que a capacidade de defesa da União como um todo deveria ser considerada: «Se cada país fizer isto por si só, será um desperdício de recursos», advertiu ele.

Ele não pensa que seja possível que venha a existir um exército europeu, mas sublinhou que devem ser feitos progressos para tornar a força militar europeia mais poderosa, pois considera que «agora não é», e também garantiu que não basta ter o guarda-chuva dos Estados Unidos, porque haverá conflitos em que os americanos não quererão entrar, após o que mencionou o Sahel.

NÃO SERÁ «ARMS RACE» NA UE O chefe da diplomacia europeia salientou também que a Europa «não embarcará numa corrida aos armamentos» com a guerra na Ucrânia, e acrescentou que a UE é um projecto de paz e não uma aliança militar.

«Queremos ter a capacidade de coordenar as nossas forças armadas, mas não temos de criar uma OTAN europeia», e manteve que o sistema de segurança europeu deveria ser reconstruído, como aconteceu com a OSCE no final da Guerra Fria, mas acredita que é difícil fazê-lo neste momento sem saber como é que a distribuição do poder na Rússia vai acabar.

Borrell acredita que é demasiado cedo para pensar como serão as relações com a Rússia após a guerra com a Ucrânia, e advertiu que é possível que o conflito «não termine mas congele, como na Coreia» e que possa tornar-se crónico com um cessar-fogo e uma linha da frente.

Lamentou que a Rússia não aceite a UE como interlocutor, mas sente-se mais à vontade para falar separadamente com os países, mas garantiu que as sanções europeias serão um elemento fundamental nas negociações com a Rússia, razão pela qual considera que a UE deve estar à mesa das negociações para uma ordem de segurança: «Não aspiro a assumir a liderança nas negociações que permitam um cessar-fogo», reconheceu.

«AVOIAR A DEPENDÊNCIA» NA CHINA No que diz respeito às relações com a China, afirmou que estas serão inevitavelmente muito complexas, mas argumentou que «temos de evitar que as inter-relações se transformem em dependência», pois acredita que este é o erro que a UE cometeu com a Rússia e a sua dependência energética, algo que está agora a ser corrigido, acrescentou.

Borrell declarou que com a China, a batalha das narrativas é cada vez mais importante e decisiva, após o que salientou que estas batalhas «não são ganhas por bombardear territórios, mas sim por bombardear mentes e condicionar a forma como as pessoas pensam».

«A competição com a China deve ser ideológica e factual. Se for apenas ideológico, leva ao confronto, o que não será bom para ninguém, ou a um impasse, a uma falta de cooperação», advertiu, e salientou que problemas como as alterações climáticas não podem ser resolvidos sem cooperação com a China.

Borrell defendeu que a UE está na política externa como estava na política monetária antes do euro, uma vez que se encontra numa fase de fazer algo em comum, mas não de ter uma política externa única.

Ele deu o exemplo dos investimentos na América Latina, onde a «presença maciça do investimento europeu não corresponde à influência política que deveria ter», e acredita que esta é uma consequência da fragmentação da política externa, da qual nenhum Estado vai desistir, apontou.