O Irão responde à redistribuição das tropas iraquianas com a chegada de unidades blindadas à fronteira

Arquivo
Arquivo – Exercícios da Guarda Revolucionária Iraniana – -/IRGC/dpa

A Guarda Revolucionária do Irão enviou unidades blindadas e infantaria para a fronteira com o Curdistão iraquiano depois de ter relatado «movimentos suspeitos» por grupos da «oposição curda», menos de 24 horas depois de Bagdade ter anunciado os seus próprios movimentos militares em resposta aos ataques de Teerão e Ancara a posições da oposição curda na região semi-autónoma.

O Irão lançou durante semanas uma série de ataques transfronteiriços de mísseis e drones contra grupos da oposição curda-iraniana baseados no Iraque, culpando-os por alimentarem protestos em casa pela morte sob custódia de Mahsa Amini, jovem curda, alegadamente por usarem incorrectamente o tradicional lenço islâmico de cabeça.

O comandante das forças terrestres da Guarda Revolucionária, General Mohamad Pakpur, confirmou o destacamento para «lidar com a insegurança através destes reforços na zona fronteiriça das províncias ocidentais e noroeste do país», disse ele em comentários levados a cabo pela agência noticiosa semi-oficial iraniana Tasnim.

O Partido da Liberdade do Curdistão, um dos grupos em causa, confirmou que o Irão já enviou tanques, veículos blindados, artilharia e drones nas fronteiras do Irão com a região do Curdistão nos últimos dias, e também aumentou as suas forças nas cidades curdas-iranianas de Baneh, Marivan e Piranshahr, disse o seu porta-voz, Jalil Nadiri, à agência noticiosa curda Rudaw.

O Irão justificou estas operações perante a ONU argumentando que o país «não tem outra escolha senão usar o seu direito natural de se defender no quadro do direito internacional para proteger a sua segurança nacional», tal como explicou numa carta dirigida à instituição internacional na quinta-feira.

Em contraste, o governo iraquiano anunciou na quinta-feira a sua decisão de redistribuir tropas para as fronteiras com o Irão e a Turquia após ter denunciado os recentes bombardeamentos como uma ameaça à sua soberania.

O Conselho de Segurança Nacional Iraquiano realizou na quarta-feira uma reunião liderada pelo primeiro-ministro Mohamed Shia al-Sudani para abordar «as violações e ataques turcos e iranianos às fronteiras do Iraque», segundo o porta-voz do pessoal do exército Yahya Rasul, com a intenção de «desenvolver um plano de redistribuição das forças fronteiriças para manter a linha nas fronteiras com o Irão e a Turquia» e «garantir todo o apoio logístico às Forças de Fronteira».