O ex-presidente salvadorenho Sanchez Ceren acusado de branqueamento de capitais é apreendido

Arquivo
Arquivo – Ex-Presidente de El Salvador Salvador Sánchez Cerén – PRESIDENCIA

A Procuradoria-Geral de El Salvador (FGR) apreendeu uma propriedade, três veículos e congelou duas contas bancárias do ex-presidente Salvador Sánchez Cerén avaliadas em 1.275.000 dólares no âmbito do processo aberto contra o ex-presidente por branqueamento de capitais.

A acusação acusa Sánchez Cerén de branqueamento e desvio de dinheiro, juntamente com 16 antigos funcionários do gabinete do presidente e particulares, que utilizaram ilegalmente fundos públicos entre 2016 e 2019, de acordo com os meios digitais salvadorenhos El Metropolitano Digital.

Estes bens estão também registados em nome de William Oswaldo Vaquero León, genro de Sánchez Cerén. O processo de recuperação dos fundos que foram ilegalmente roubados do Estado começa com esta acção, de acordo com o FGR.

Após tomar conhecimento desta decisão, Sánchez Cerén denunciou que é vítima de perseguição política. «Face às notícias da FGR anunciando a apreensão dos meus bens e contas bancárias, faço a seguinte declaração: não possuo nenhum bem pessoal, bens imóveis ou veículos meus», disse ele numa declaração.

Sanchez Cerén, que reside na Nicarágua, indicou na sua declaração que a única coisa que o FGR congelou «foi a conta bancária onde a minha pensão foi depositada, pelo que não posso aceder a estes recursos, privando-me dos meios para me sustentar». Por conseguinte, instou o FGR a apresentar provas ou a cessar os actos de difamação contra ele.

«Se há uma coisa de que me posso orgulhar, é do facto de não ter riqueza material, como confirmou a Secção de Probidade do Supremo Tribunal de Justiça, pelo que exijo esclarecimento e o fim da perseguição política contra mim», reiterou ele.