Boluarte pede desculpa após justificar a repressão das autoridades por não ter concordado com os protestos

Protestos
Protestos no Peru. – Carlos Garcia Granthon/ZUMA Pres / DPA

A Presidência peruana pediu desculpa pelas declarações da Presidente Dina Boluarte justificando à imprensa internacional a falta de acordo com os protestos que têm lugar nas principais províncias do sul, incluindo Puno, onde foi noticiado o maior número de mortes.

«O que fazemos face às ameaças? Deixamo-los queimar-nos vivos como queimaram um polícia em Puno?» perguntou Boluarte, que negou que o governo fosse responsável pela violência e expressou a frase discordante «Puno não é o Peru».

«A Presidência do Peru reitera que deve garantir a segurança e bem-estar dos 33 milhões de peruanos, neste contexto, a frase ‘Puno não é o Peru’ não foi uma expressão discriminatória ou arrogante», pediu desculpa.

«Se foi mal interpretada, pedimos desculpa às nossas irmãs e irmãos da nossa amada região do Altiplano. Reiteramos o nosso apelo à paz, ao diálogo e à reconciliação», disse a Presidência.

Passaram quase sete semanas desde que Boluarte assumiu a presidência do Peru após a expulsão e prisão de Pedro Castillo, e desde então mais de cinquenta pessoas morreram como resultado da repressão policial de protestos que exigiam uma saída e eleições antecipadas.

Embora os media tenham mostrado imagens da polícia e do exército reprimindo indiscriminadamente os protestos, Boluarte tem insistido no bom trabalho das forças de segurança e tem mesmo acusado os manifestantes de serem financiados por grupos criminosos, sem mostrar provas.

Desde o início desta semana, mais organizações e grupos da sociedade civil peruana das províncias do sul têm-se deslocado a Lima, a capital, para participar nas manifestações. O governo respondeu com a expansão de contingentes militares nestas províncias.

Em Puno, por exemplo, há uma sucessão de protestos e greves contra Boluarte, que respondeu decretando um recolher obrigatório entre as 20h e as 4h da manhã, relata o diário «La República».

O estado de emergência foi declarado nos departamentos de Cuzco, Lima, Callao, Amazonas, La Libertad e Tacna, bem como em Puno, onde os direitos de reunião, a inviolabilidade do lar, a liberdade de trânsito, a liberdade pessoal e a segurança foram suspensos.

Fonte: (EUROPA PRESS)